Laser de Glaucoma, Cirurgia Filtrante e Dispositivos de Derivação Aquosa

O glaucoma é uma condição caracterizada por dano progressivo no nervo óptico e é muito frequentemente devido a um aumento na pressão intra-ocular (PIO). Não pode ser curada, mas a detecção precoce e o tratamento podem ajudar a prevenir a perda de visão e a cegueira, principalmente reduzindo a pressão intra-ocular (PIO). Medicamentos sob a forma de colírios ou medicamentos orais são a primeira linha de tratamento. Se estes não puderem ser usados ​​ou falharem em dar os resultados desejados, os vários métodos cirúrgicos podem ser considerados.

Cirurgia a laser

O tratamento com laser pode ser considerado para ambos os tipos de glaucoma – glaucoma de ângulo aberto e glaucoma de ângulo fechado. Se o glaucoma afeta ambos os olhos, a cirurgia a laser geralmente é feita de um olho de cada vez, com um intervalo de algumas semanas entre as sessões. O tipo de cirurgia a laser dependerá da forma e gravidade do glaucoma.

Trabeculoplastia a Laser

A trabeculoplastia a laser ajuda a abrir os canais de fluxo de fluido para que o fluido possa drenar facilmente para fora do olho e diminuir a PIO. Um feixe de luz de alta intensidade é usado para tratar o ângulo de drenagem do olho. A trabeculoplastia a laser é geralmente feita como um procedimento ambulatorial para pacientes que sofrem de glaucoma de ângulo aberto. Este procedimento não é adequado para o tratamento do glaucoma de ângulo fechado.

Existem 2 tipos de trabeculoplastia a laser:

  • Trabeculoplastia com laser de argônio (ALT) – um feixe de luz de alta intensidade (laser) é usado para abrir o ângulo de drenagem do olho.
  • Trabeculoplastia a laser seletiva (SLT) – um laser de nível inferior é usado para abrir o ângulo de drenagem do olho.

O procedimento

A trabeculoplastia a laser é um procedimento indolor, mas uma sensação de calor pode ser sentida no olho durante a cirurgia. Gotas anestésicas são aplicadas no olho antes de iniciar o procedimento. Durante a terapia a laser, o paciente senta-se de frente para a máquina a laser, com o médico segurando uma lente especial (goniolens) no olho. Um microscópio especial (lâmpada de fenda) e goniolenos ajudam a guiar os feixes de laser para os canais (malha trabecular), onde o fluido é drenado do olho. Algumas pequenas queimaduras são feitas na malha trabecular pelo feixe de laser, que estica os orifícios de drenagem, facilitando o fluxo de fluido do olho. As gotas oculares são instiladas no olho do paciente antes ou depois do procedimento para diminuir o fluido no olho e prevenir um aumento na PIO imediatamente após a terapia com laser.

Efeitos a Longo Prazo e Complicações

O efeito da cirurgia a laser pode se desgastar com o tempo e a cirurgia convencional pode precisar ser feita mais tarde. Mesmo depois de passar por uma cirurgia a laser, o paciente pode precisar continuar tomando medicação para o glaucoma. Algumas das complicações que podem surgir com a cirurgia a laser incluem:

  • Inflamação dos olhos
  • PIO aumentado
  • Nebulosidade da córnea
  • Dor
  • Formação excessiva de tecido cicatricial
  • Diminuição da visão, que pode ser temporária
  • Perda permanente da visão

Iridotomia Periférica a Laser

Isto é conduzido para o glaucoma de ângulo fechado e envolve a abertura de um novo canal na íris. Pode ser feito como um procedimento de emergência para aliviar a pressão dentro do olho, ou como um meio de prevenir um ataque agudo. Um pequeno orifício é criado na íris, o que faz com que ele caia de volta do canal de fluido, ajudando assim a drenagem do fluido.

Ciclo-Fotocoagulação a Laser

A ciclo-fotocoagulação a laser ou ciclo-ablação utiliza diferentes tipos de lasers para destruir e, assim, dificultar a capacidade do corpo ciliar de produzir fluido, reduzindo assim a pressão intra-ocular (PIO). O procedimento pode precisar ser repetido em alguns casos para controlar permanentemente o glaucoma. É mais frequentemente usado no glaucoma terminal ou em que todos os outros métodos falham, já que há risco de perda de visão com esta técnica.

Cirurgia Convencional ou Cirurgia Filtrante (Trabeculectomia)

Na cirurgia convencional, que geralmente é feita quando a medicação e o tratamento com laser não deram os resultados desejados, uma nova abertura é feita para o fluido drenar para fora do olho. A cirurgia convencional também é conhecida como microcirurgia filtrante ou cirurgia de corte. A trabeculectomia é o tipo mais comum de cirurgia de glaucoma.

O procedimento

A cirurgia é indolor, pois geralmente é realizada sob anestesia local com sedação intravenosa. Geralmente é feito como um procedimento ambulatorial e não precisa de internação durante a noite.

Na microcirurgia filtrante, um pequeno orifício de drenagem é feito na esclera (esclerostomia), que permite que o fluido deixe o olho, reduzindo a PIO. Uma aba é criada para que o fluido possa deixar o olho sem esvaziar o globo ocular. Um pequeno pedaço da íris pode ser removido (iridectomia), para permitir que o fluido flua para trás no olho. Uma pequena bolha, conhecida como bolha, pode se formar sobre a abertura. Este é um sinal de que o fluido está drenando. Embora a cirurgia perfeita não deva ter uma bolha, uma bolha grossa é preferível a uma bolha fina, pois há menos risco de vazamento no primeiro tipo.

Complicações

As complicações e riscos da cirurgia de filtração podem incluir:

  • Vazamentos de sangue e infecção.
  • Cicatrizes ao redor da incisão podem fechar os canais de drenagem.
  • Maior risco de formação de catarata.

Dispositivos Aquosos de Derivação

Implantes de drenagem (shunts de tubo) podem ser usados ​​para drenar fluido em casos especiais como quando:

  • o glaucoma não mostra boa resposta aos procedimentos padrão.
  • O glaucoma é causado pelo inchaço da íris.
  • O glaucoma é causado pela formação anormal de vasos.
  • há síndrome endotelial iridocorneana (ICE).

O procedimento

O procedimento envolve a inserção de um implante, geralmente um tubo de silicone de ½ polegada, na câmara anterior do olho. O fluido é drenado através do implante para uma pequena placa sob a conjuntiva. O fluido coletado é absorvido pelos tecidos do olho.

As complicações podem incluir:

  • PIO muito baixa ou hipotonia
  • Sangramento
  • Retina isolada (descolamento de retina)
  • Catarata
  • Desagregação da córnea
  • Estrabismo (estrabismo)
  • Diplopia ( visão dupla )

Técnicas cirúrgicas não penetrantes

A viscocanostomia e a esclerectomia profunda são procedimentos menos invasivos que a cirurgia filtrante. Nestas técnicas, a câmara anterior do olho é deixada intacta e a formação da bolha é evitada. Uma aba é criada na parte externa da esclera, enquanto um pedaço grosso de esclera é removido abaixo dela. Esses procedimentos são menos eficazes que a cirurgia convencional na redução da PIO.